Mais da metade de empresas brasileiras não possuem um programa de inteligência contra ameaças cibernéticas

Um estudo realizado pela Ernst & Young com 1735 executivos C-level das áreas de Segurança da Informação e TI em todo o mundo, incluindo o Brasil, indica que mais da metade de empresas brasileiras não possuem um programa de inteligência contra ameaças cibernéticas. Mais de 70% dos entrevistados no País afirmam que as restrições orçamentárias são um desafio e 56% dizem que precisam de até 50% mais investimento, segundo notícia da TI Inside Online.

Pouco mais da metade das empresas (59%) afirmam que mesmo que um de seus concorrentes seja atacado, não aumentariam seus investimentos contra ciberataques. Ameaças de ciberataques contra os sistemas financeiros ou roubo de dados e propriedade intelectual aliadas a vulnerabilidade interna das empresas como o descuido de funcionários com acesso não autorizado a dados relevantes são considerados os principais pontos de preocupação dos CIOs e demais C-levels.

 

Comparativo Global X Brasil 

Item avaliado

Dados Globais

Dados Brasil

Não possuem um Centro de Operações de Segurança

44%

63%

 

Não possuem (ou possuem um programa informal) de inteligência de ameaças

64%

81%

 

Aumentaram o orçamento para cibersegurança nos últimos 12 meses

53%

28%

 

Empresas que tiveram algum incidente cibernético no ano passado, porém não conseguiram contabilizar o montante dos danos financeiros

49%

45%

 

Classificam as informações pessoais identificáveis de clientes como as mais valiosas para os criminosos cibernéticos

51%

33%

 

Globalmente, no setor de bancos e mercado financeiro, as principais fontes de ciberataques estão o crime organizado (67%) e hackativistas (52%) como ameaças externas e como vulnerabilidades internas o descuido de funcionários (67%) e colaboradores mal intencionados (51%). Nesse setor, a prioridade na área de segurança da informação é a prevenção de vazamentos e perda de dados (64%), processos de disaster recovery e continuidade dos negócios (54%) e gestão de identidades e acessos de usuarios (51%). Entre as empresas entrevistadas, 31% não planejam mudar o seu orçamento para segurança de dados nos próximos 12 meses.

No setor de tecnologia, as principais fontes de ciberataques estão as vulnerabilidades internas, com funcionários descuidados (69%) e funcionários mal intencionados (46%), já o crime organizado (55%) e hackativistas (46%) representam ameaças externas. Nesse setor, a prioridade na área de segurança da informação é nos processos de disaster recovery e continuidade dos negócios (54%), prevenção de vazamentos e perda de dados (53%) e capacidade de resposta aos incidentes (50%). Entre as empresas entrevistadas, 22% não planejam mudar o seu orçamento para segurança de dados nos próximos 12 meses.

FONTE: TI INSIDE ONLINE